The New School lança instituto para cooperativas de plataforma

A busca por uma economia digital cooperativa, com mais cooperativas de plataforma, começa a ganhar força pelo mundo.

Nos Estados Unidos, a The New School acaba de lançar um instituto para examinar negócios e projetos digitais pertencentes e controlados por trabalhadores e usuários.

O Instituto para a Economia Cooperativa Digital (ICDE, na sigla em inglês) foi lançado em maio deste ano e servirá como braço de pesquisa do Consórcio de Plataformas Cooperativas.

O Consórcio, fundado por Trebor Scholz, professor da The New School, é uma rede internacional crescente que apoia a economia da plataforma cooperativa – e já recebeu financiamento de 1 milhão de dólares do Google.

A criação do ICDE se deve ao entendimento de que a economia digital cooperativa é uma área sub-pesquisada nos campos da antropologia, ciência política, sociologia, história e economia. E não só nos EUA, como no mundo todo.

Aqui no Brasil, por exemplo, o assunto começa a ser discutido e o próprio Trebor Schoolz foi um dos palestrantes convidados do último Congresso Brasileiro do Cooperativismo (CBC), realizado em maio, em Brasília.

O cooperativismo de plataforma é uma das tendências de inovação que nós, do Coonecta, apostamos e elencamos num e-book exclusivo. Clique aqui para acessar o e-book que traz essa e mais 6 tendências de inovação para o cooperativismo brasileiro.

O que representa a criação do ICDE

Através de conhecimento aplicado e teórico, educação e análise de políticas, o ICDE estudará a propriedade da plataforma e a governança democrática. Temas que trazem conflitos aos atuais modelos de plataformas não-cooperativas, como a UBER.

“De acordo com o legado da The New School, este instituto abrirá novos caminhos apoiando abordagens críticas e interdisciplinares para estudar o ecossistema das cooperativas de plataforma emergentes”, disse David Van Zandt, Presidente da The New School.

O Instituto convocará conferências anuais, concederá bolsas de estudo a estudantes, ministrará cursos sobre economia digital, além de hospedar uma rede de pesquisadores de todo o mundo. Essa rede inaugural de bolsistas de pesquisa conta com:

  • Luciana Bruno, do Rio de Janeiro, que vai escrever um estudo de caso sobre a Cataki, uma cooperativa de plataforma para catadores;
  • Amelia Evans, de Boston, explorará como dimensionar e financiar a economia digital cooperativa por meio de um fundo de investimento;
  • Minsun Ji, de Denver, estudará o movimento das cooperativas de plataforma na Coréia do Sul;
  • Morshed Mannan, da Holanda, estudará a lei e a governança das cooperativas protocolares;
  • Francis Mikwa Mwongela, do Quênia, explorará o potencial das cooperativas de plataformas no Quênia;
  • Jonas Pentzien, de Berlim, estudará os obstáculos legislativos para as cooperativas de plataforma nos Estados Unidos, Alemanha e França.

Ou seja, as cooperativas de plataforma não são um movimento restrito aos EUA, mas sim mundial.

Líderes da indústria, formuladores de políticas e especialistas em cooperação de todo o mundo já expressaram seu apoio ao ICDE:

“As cooperativas em todo o país e em todo o mundo devem deixar sua marca na economia digital, e as plataformas cooperativas oferecem um modelo claro para o futuro da Internet. Apoiamos plenamente o trabalho do ICDE na pesquisa e no conhecimento entre disciplinas para este setor em crescimento”, afirma Doug O’Brien, presidente e CEO da National Cooperative Business Association.

“Plataformas cooperativas darão a todos algo melhor do que o que o Vale do Silício está fazendo para o mundo hoje. Eles oferecem uma alternativa tangível a curto prazo e este novo Instituto fundamenta este trabalho em conhecimento e política essenciais”, acredita Scott Heiferman, cofundador e presidente do Meetup.

“Parabéns pelo sucesso do cooperativismo de plataformas, que começou anos atrás e se tornou uma importante contribuição para as ciências sociais”, completa Saskia Sassen, professora de Sociologia da Universidade de Columbia.

Créditos: Co.cada

Um futuro com mais Cooperativas de Plataforma

A própria Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) afirma que, no mundo, o fenômeno das cooperativas de plataforma está, de fato, se expandindo. É inegável pensar o futuro do setor sem as cooperativas de plataforma.

Já temos exemplos de cooperativas que aplicam os princípios do cooperativismo a essas plataformas digitais. Alguns exemplos nos Estados Unidos são a Loconomics, a Stocksy, a Up&Go e a Savvy. Na Itália, a Cotabo. Na Austrália, a bHive e a Ylab.

Tratam-se de iniciativas em que os prestadores de serviço são proprietários das plataformas, tomam as decisões de maneira democrática através de mecanismos digitais e à distância, de forma muito diferente da experimentada nas cooperativas tradicionais.

Assim, o cooperativismo de plataforma é um movimento que defende a criação de plataformas cooperativistas, nas quais os prestadores de serviço ou usuários também seriam, de forma muito mais democrática, os próprios donos do negócio.

[activecampaign form=38]