Inovação no Sistema Ailos: conheça a estratégia e os primeiros resultados

O tema “inovação” entrou no radar do Sistema Ailos em 2017 e, atualmente, a cooperativa já conta com um time dedicado ao assunto, formado por sete profissionais de diferentes formações.

Entre as iniciativas, destaque para o programa InPulse, lançado em junho deste ano, para se conectar com o ecossistema de inovação e buscar startups que possuem produtos ou serviços aderentes aos negócios tanto da Central como das cooperativas filiadas ao Sistema.

Quatro meses depois, já temos os primeiros resultados. O Sistema Ailos acaba de divulgar as startups selecionadas na primeira chamada do programa InPulse.

Com soluções destinadas ao universo dos seguros, das dez insurtechs que apresentaram suas ideias, três foram escolhidas: Compara Online, de São Paulo (SP), Busque Seguro, de Florianópolis (SC) e Plek, de Blumenau (SC).

O objetivo dessa escolha foi a busca por soluções digitais para a corretora Ailos. Para isso, a operação deveria ser 100% digital e com foco no autosserviço, garantindo a excelência na experiência de consumo. 

Após a primeira chamada de startups, com assuntos específicos, o Sistema Ailos continua em busca de soluções para o ciclo contínuo, que envolve temas como modelos de análise de crédito, geolocalização, educação financeira, relacionamento em canais digitais, entre outros. Todos os temas podem ser conferidos no site do programa.

Guilherme Augusto Strube, coordenador do laboratório de inovação do Sistema Ailos, conta que as startups selecionadas serão contratadas e as suas soluções acompanhadas pelos times das cooperativas.

Entrevista: por dentro da Inovação no Sistema Ailos

O programa InPulse é apenas uma das iniciativas do Laboratório de Inovação do Sistema Ailos, coordenado por Guilherme Augusto Strube, com quem fizemos a entrevista a seguir. Veja como a inovação tem sido pensada no Sistema Ailos: 

Coonecta: Quando o Ailos passou a olhar com mais atenção para o tema Inovação? 

Guilherme Augusto Strube: O tema inovação é um dos norteadores do nosso planejamento estratégico que foi construído em 2017 e é revisitado anualmente. Em 2018 não possuíamos um time dedicado a trabalhar com o tema e começamos com ações internas, com todos os colaboradores do Sistema Ailos, através de um programa de inovação incremental e colaborativo chamado “Acelera”. Durante o período de 2018, medimos os objetivos, revisitamos nosso plano e evoluímos o escopo. Para chegar no que definimos ser o ideal, fizemos benchmarks com empresas do mercado financeiro, de capital aberto, avaliamos com consultoria o melhor modelo e, claro, conversamos com nossas cooperativas do Sistema Ailos. Por fim, montamos uma área chamada Laboratório de Inovação e hoje, através dela, atuamos com programas de inovação com nossos colaboradores e de inovação aberta, além de ações e experimentações para validar modelos de negócios. 

O que motivou o Ailos a se aproximar do ecossistema de startups? 

Nosso programa de inovação aberta, o InPulse, foi concebido com o objetivo de nos aproximarmos do ecossistema de startups para atuarmos juntos desse ambiente. Porque entendemos que não conseguimos executar tudo “dentro de casa”, por isso desejamos encontrar nesse ecossistema soluções que possam acelerar nossas entregas para as cooperativas e cooperados. Quanto à cultura, desejamos trazer desse mercado o melhor para que dentro de nossos times possamos viver novas experiências.

Como funciona o Laboratório de Inovação do Ailos? 

Somos um time multidisciplinar, possuímos formações, experiências e especializações distintas, como designer, engenheiro, TI, economista e administrador. Somos um time de sete pessoas e desejamos dobrar a capacidade em 2020. Nosso papel é desenhar a estratégia e executar os programas de inovação, fazer pesquisas e provocações internas aos demais times do Ailos, experimentar e entregar soluções, sendo elas tecnológicas ou não. Não atuamos de maneira isolada, temos grandes parceiros no Ailos e cooperativas, as disciplinas de gestão de pessoas, relacionamento com cooperado, marketing e produtos fazem parte do nosso dia a dia e discussões. Em se tratando do ecossistema de startups, nós somos um hub: desejamos levar os desejos/dores/problemas para fora, entender o que está acontecendo no mercado, conectando com nossos especialistas dos times internos.

Além da seleção das primeiras startups, quais outros resultados podemos extrair do InPulse Ailos hoje? 

Construímos ao longos do meses e aprendizados, um processo que facilita as discussões com as startups desde o momento do pitch até a elaboração do MVP, execução da prova de conceito e, por fim, o crescimento em escala na produção. São resultados intangíveis, mas que hoje nos dá uma visão de que nossa cultura está se transformando, estando mais aberta a atuar com este modelo, risco e adoção de novos métodos e ferramentas de trabalho.

E quais resultados são esperados nos próximos anos? 

Mais do que aumentar o número de execuções das ações dos programas de inovação atuais, desejamos crescer o portfólio de inovação e do nosso laboratório. Para isso, há desejos que cabem amadurecer. Exemplos do que vemos no mercado e podem servir de inspiração são: transformação da cultura para pensamento Lean e Agile, uma maior conexão do público interno e externo (abrindo diariamente as portas para o mercado), um apetite a investimentos de maior risco com aceleração e mentorias de startups, uma atuação com a inovação radical, construção de novos produtos e serviços, entre outros.

Inovação no Cooperativismo

Quer saber mais sobre as iniciativas de inovação no cooperativismo? Confira tudo o que rolou no Cooptech 2019. Você vai ver como as tecnologias exponenciais começam a avançar no cooperativismo.

Da mesma maneira que transformaram mercados e criaram uma Nova Economia, estão transformando o cooperativismo. É daí, por exemplo, que vêm surgindo as cooptechs. É o início de uma nova era no setor.

Além disso, o Cooptech mostrou como várias cooperativas brasileiras estão atualizando suas soft-skills e cultura para a transformação digital. Algumas ações nesse sentido são a aproximação com startups e ecossistemas de inovação e tecnologia, além da estruturação de programas de inovação.

O Cooptech foi pensado para Gestores e Dirigentes de Cooperativas que precisam inovar. Mas o profissional não precisa, necessariamente, atuar numa área de inovação. Ter uma visão sistêmica da inovação é importante para todos os gestores envolvidos num processo de transformação.