Employer branding: como construir uma marca empregadora para sua cooperativa

Atrair e reter talentos é um dos grandes desafios de um mercado competitivo. Dentre ofertas de salários e benefícios, existem estratégias que podem ser adotadas a fim de alavancar a imagem da cooperativa e torná-la mais atrativa aos olhos de profissionais qualificados. Dentre elas, uma tem ganhado destaque nos negócios: o employer branding (marca empregadora). 

Criar uma “marca empregadora” para sua cooperativa basicamente significa desenvolver táticas e atividades para estabelecer uma percepção positiva da organização como ambiente de trabalho. Atuando como estratégia institucional, o employer branding fortalece a reputação do negócio como um bom lugar para se trabalhar.

Com o aumento da preocupação pela qualidade de vida das gerações mais novas, saber que o ambiente de trabalho de uma organização é positivo conta como um grande diferencial aos olhos desses profissionais. A seguir, descubra mais sobre os impactos da criação e execução do employer branding e sua importância no cooperativismo.

Importância e benefícios do employer branding

Em um cenário de disputa por talentos, o employer branding surge como uma ótima estratégia de atração e retenção de colaboradores. Afinal, oferecer um ambiente de trabalho positivo não apenas é atrativo para profissionais externos, mas também faz com que os funcionários da cooperativa fiquem mais satisfeitos.

Uma vez que estejam contentes com suas condições de trabalho, é natural que os próprios colaboradores se tornem defensores da marca. Dessa forma, consolidar a marca empregadora é também uma tática de marketing, tendo em vista que impacta diretamente na criação de porta-vozes da cooperativa. 

O estudo “Por que e como as pessoas mudam de emprego“, feito pelo LinkedIn, mostra que, independentemente de suas qualificações, o maior desafio de muitos profissionais é se encaixar no ambiente de trabalho oferecido.

Por isso, ser acolhido em um clima corporativo saudável e funcional é essencial para a manutenção da equipe. Ou seja: da mesma forma que ter uma marca empregadora atrai novos talentos, ela também mantém os colaboradores capacitados engajados na cooperativa.

Marca empregadora e seu impacto na redução de custos 

A retenção de talentos que provém do employer branding impacta diretamente a organização, porque representa uma economia com desligamentos e processos de recrutamento e seleção. A mesma pesquisa aponta que organizações com boa reputação economizam, em média, 43% no custo por candidato em novas contratações.

O engajamento e a produtividade dos funcionários também tende a aumentar com o fortalecimento do employer branding. Conviver em um ambiente positivo e agregador impulsiona os colaboradores a agir com maior comprometimento e motivação diante dos objetivos propostos.

Em outras palavras, fica mais fácil “vestir a camisa da cooperativa” quando o clima é saudável e incentivador. 

Employer Branding nas cooperativas

No ambiente cooperativista, em especial, a avaliação positiva dos colaboradores é ainda mais importante. Até mesmo porque a colaboração e a preocupação com as pessoas estão na essência do cooperativismo. 

Ou seja, o coração das cooperativas são as pessoas – sem elas, o modelo não seria possível. Portanto, criar uma marca empregadora que retenha e incentive o engajamento dos colaboradores é essencial. A gerente de canais da Sólides, Ester Pacheco, afirma que ter uma boa avaliação auxilia a cooperativa a criar uma reputação positiva no mercado. 

“A avaliação positiva é crucial para engajamento, fidelidade e retenção dos colaboradores, promovendo também o desenvolvimento de habilidades, inovação, uma boa imagem externa, resolução de conflitos e sustentabilidade financeira. Sendo assim, a avaliação positiva é essencial para o sucesso e sustentabilidade das cooperativas, fortalecendo a coesão interna e contribuindo para a realização dos objetivos coletivos”, explica a especialista.

Estratégias para criar uma marca empregadora

Na hora de colocar o employer branding em prática, é importante escolher a estratégia que melhor se adapta à rotina da sua cooperativa. Planejar as técnicas que serão utilizadas, escolher quais lideranças estarão envolvidas e definir qual imagem a organização quer passar são os primeiros passos essenciais a se tomar antes do início do projeto. 

Cultura organizacional e onboarding

Outra etapa fundamental é estabelecer uma cultura organizacional – isto é, determinar os valores e a identidade da marca. Afinal, não tem como pedir para que os funcionários se comprometam com uma organização que nem ao menos sabe seu propósito.

Vale reforçar que todos os colaboradores devem estar cientes desses valores. Por isso, além de treinamentos para os profissionais que já são parte da equipe, vale a pena investir no processo de onboarding dos novos talentos visando a inclusão deles na cultura organizacional da cooperativa.

Ambiente positivo e pacote de benefícios 

Criar uma atmosfera de trabalho saudável é um ponto importante na construção de uma marca empregadora. Um ambiente diverso, acolhedor e que valoriza os funcionários é uma ótima maneira de criar uma percepção positiva dos colaboradores diante da marca

As cooperativas ainda podem apostar em um pacote de benefícios e de treinamentos a fim de melhorar as habilidades e a qualidade de vida da equipe dentro e fora do espaço profissional.

Treinamento de lideranças

Por fim, é necessário investir nas lideranças das cooperativas – de nada adianta ter um plano elaborado sobre employer branding, mas não ter quem ajude a executá-lo. E neste momento, líderes são cruciais para a criação de uma marca empregadora.

Desenvolver treinamentos para lideranças tolerantes, transparentes e abertas ao diálogo impacta totalmente na percepção dos colaboradores sobre a organização. Os líderes também precisam ser orientados para que entendam a importância do employer branding e possam implementar as táticas de fortalecimento da marca na rotina da equipe.

Conclusão: o poder do employer branding

Não há dúvidas de que o desenvolvimento de um employer branding pode trazer inúmeros benefícios às cooperativas. Desde a atração e retenção de novos talentos até o aumento do desempenho dos colaboradores, garantir que a organização tenha uma marca empregadora fortalecida auxilia em diversas áreas da organização.

No entanto, o employer branding é apenas uma das táticas da gestão de pessoas, estratégia que pode agregar muito à cooperativa e se desenvolver como um diferencial da marca. Quer saber mais sobre a gestão de pessoas no cooperativismo?

E-Book Gestão de Pessoas no Cooperativismo

A Coonecta, em parceria com a Sólides, empresa especializada em gerenciamento e recursos humanos, elaborou um e-book completo para você ficar por dentro da importância e dos benefícios de investir na gestão de pessoas na sua cooperativa. Acesse agora mesmo!

spot_img
spot_img

Relacionados

15° Congresso Brasileiro do Cooperativismo: futuristas apontam tendências para o setor

O 15° Congresso Brasileiro do Cooperativismo, organizado pelo Sistema...

6 iniciativas de inteligência artificial no cooperativismo

A inteligência artificial (IA) está marcando presença em diversos...

Horizontes de inovação da McKinsey: o que são e como usá-los

Quem nunca deixou um projeto “para depois” porque não...
Giovanna Delegá
Giovanna Delegá
Jornalista apaixonada por comunicação, em todos os seus formatos. Formada pela Cásper Líbero, acredita que todos têm uma história interessante para contar - e que deve ser ouvida! Atualmente, é Redatora da Coonecta.