Vender no cooperativismo: da pré-venda às novas tendências

A arte de vender é um desafio que permeia todos os tipos de negócios, e não é diferente para as cooperativas. No entanto, o que diferencia as marcas nesse cenário é a busca pela eficácia na forma de vender no cooperativismo. 

Com as novas tecnologias e os hábitos de consumo em constante evolução, é fundamental compreender e se adaptar a essa jornada que passa por transformações contínuas.

Neste artigo, vamos explorar mais a fundo essa realidade, analisando as mudanças, as oportunidades e as estratégias que podem impulsionar as cooperativas rumo ao sucesso no atual panorama comercial. Acompanhe-nos nessa jornada de descobertas e aprendizado sobre vender no cooperativismo!

Pré-venda: como começa a jornada para vender no cooperativismo

No universo do cooperativismo, a pré-venda desempenha um papel essencial em um processo de vendas eficiente. É nesta etapa que são determinados os alicerces para o sucesso comercial. Mas, afinal, o que é a pré-venda e por que ela é tão importante?

A pré-venda consiste em uma série de estratégias e ações que são realizadas antes do contato direto com o cliente. Com isso, seu principal objetivo é estabelecer um relacionamento sólido e gerar um prévio interesse nos produtos ou serviços oferecidos pela cooperativa, construindo uma conexão profunda desde o início.

Um dos principais benefícios da pré-venda é a possibilidade de identificar oportunidades de negócio e, assim, direcionar esforços de maneira mais eficaz. Ao compreender as demandas do mercado, é possível adaptar a oferta da cooperativa de acordo com as necessidades dos clientes em potencial.

Na prática, a aplicação da pré-venda no cooperativismo requer uma abordagem estratégica e bem planejada. Isso envolve a utilização de ferramentas de prospecção, como análise de mercado e segmentação de público-alvo, além da criação de um processo de qualificação de leads eficiente. 

Hora de vender online: marketplace ou loja própria?

O comércio eletrônico vem crescendo rapidamente com o passar dos anos, e, dessa forma, as cooperativas enfrentam uma importante decisão: escolher entre vender em marketplaces ou investir em uma loja virtual própria. 

Essa escolha estratégica pode definir a forma como as cooperativas alcançam e atendem seus clientes online. Então confira a seguir as vantagens e desvantagens de cada um desses modelos de negócios.

Vantagens e desvantagens de vender online no marketplace

Optar por vender em marketplaces oferece a vantagem da facilidade e praticidade, haja visto que não é necessário desenvolver uma plataforma própria. Os marketplaces cuidam da gestão e manutenção da estrutura necessária, incluindo os meios de pagamento. 

Além disso, o custo inicial para aderir a um marketplace é baixo. Contudo, há a desvantagem de uma taxa ser cobrada em cada venda realizada, diminuindo a margem de lucro da cooperativa.

Outra vantagem dos marketplaces é a visibilidade proporcionada, uma vez que essas plataformas já possuem um grande número de acessos. Isso permite que a cooperativa possa apresentar seus produtos a novos públicos. 

Entretanto, essa visibilidade também implica em competição acirrada com outras marcas que estão no mesmo marketplace, facilitando a comparação de preços e avaliações pelos consumidores. 

Vantagens e desvantagens de vender online em loja própria

Por outro lado, vender em loja própria implica em um investimento maior em infraestrutura e tecnologia, incluindo o desenvolvimento e manutenção de plataformas, sites e aplicativos, além de questões de segurança digital e experiência do cliente.

Porém, não há pagamento de comissões como nos marketplaces. Isso pode ser vantajoso para quem realiza vendas em grande quantidade, pois os custos se diluem ao longo do tempo.

Outro fator importante que deve ser levado em consideração é que manter uma loja própria também apresenta o desafio de atrair tráfego e visibilidade. Já que diferente dos grandes marketplaces, onde as pessoas acessam organicamente, ser encontrado em uma loja online própria requer investimentos em marketing digital.

Mas esse investimento pode ser vantajoso, uma vez que oferece maior controle e personalização, permitindo seguir uma identidade visual com a cara da sua cooperativa, sem contar a elaboração de estratégias de vendas mais focadas. 

Como escolher o e-commerce? Há resposta certa para vender no cooperativismo?

Não existe uma resposta certa no mundo dos negócios: tudo depende das necessidades e objetivos da cooperativa. Como vimos acima, ambas têm vantagens e desvantagens, basta analisar qual delas atende melhor o seu modelo de negócio, com base nas informações sobre os objetivos, público-alvo e estratégia comercial.

É possível, inclusive, adotar os dois modelos, caso seu objetivo seja expandir as vendas para além da plataforma própria, a fim de encontrar novos clientes e aumentar o volume de vendas.

Além disso, é importante salientar que cooperativas de todos os tamanhos podem tirar proveito do comércio eletrônico. A Cooperacaju, uma cooperativa de agricultura familiar especializada em produtos derivados do caju, é um exemplo. Com estratégias eficientes de divulgação e um marketplace próprio, a cooperativa baiana aumentou o volume de vendas e construiu uma base sólida de clientes. Ou seja: o que não dá é ficar de fora do mundo digital.

Para saber mais sobre esse assunto, confira o conteúdo produzido pela ConexãoCoop em parceria com a Coonecta, sobre qual é a melhor opção para vender online no cooperativismo.

Pós-venda: fidelizando após vender no cooperativismo

O pós-venda é uma fundamental no processo de vendas do cooperativismo, pois se concentra em criar um relacionamento duradouro com os clientes após a conclusão da compra. Ele oferece suporte, atendimento de qualidade e acompanhamento pós-compra, com o objetivo de garantir a satisfação do cliente e fortalecer a fidelidade à cooperativa.

Essa etapa do processo de venda no cooperativismo, é extremamente importante, já que possui o potencial de promover recompra e aumentar o engajamento dos clientes. Um bom relacionamento pós-venda fortalece a confiança do cliente na cooperativa, incentivando-o a voltar para novas compras e se tornar um defensor da marca.

Mas, para garantir o sucesso do pós-venda, algumas dicas e boas práticas podem ser seguidas, entre elas:

  • Manter uma comunicação regular com os clientes;
  • Oferecer suporte rápido e eficiente;
  • Solicitar feedback e;
  • Agir com proatividade em relação a possíveis problemas.

Além disso, investir em programas de fidelidade, oferecer vantagens exclusivas aos clientes fiéis e promover ações de pós-venda personalizadas são estratégias eficazes para fortalecer esses laços. 

Que tal conhecer dicas e boas práticas sobre para o pós-venda da sua cooperativa? Então clique aqui e acesse e confira na íntegra!

Tendências para vender no cooperativismo

O mercado de vendas está em constante transformação, com mudanças nas tecnologias, contexto econômico, cultural, social e hábitos de consumo. Para acompanhar essas transformações, é necessário estar atento e se adaptar às novas formas de vender. Portanto, acompanhe as nove tendências para vender no cooperativismo no atual cenário!

1. Ambiente phygital e omnicanalidade

Com a pandemia, os ambientes digitais se tornaram essenciais nas estratégias comerciais. E uma das tendências de vendas para 2023, é o ambiente phygital e a omnicanalidade. Esse modelo combina o físico e o digital, permitindo, por exemplo, a compra online com retirada na loja física.

2. Autoatendimento

O autoatendimento, como o próprio nome já sugere, é um modelo de vendas que abre mão da necessidade de um vendedor. Um dos principais atrativos, seja na internet ou em lojas físicas, são a praticidade e agilidade. Para quem vende, essa tendência ajuda ainda, na redução de custos com o pessoal e a suprir uma nova demanda de clientes que desejam estar no controle.

3. Experiência do usuário e hiperpersonalização

Os clientes estão buscando cada vez mais cooperativas que ofereçam além de bons produtos e serviços, uma experiência do usuário que seja exclusiva e personalizada. Para isso, utilizar dados por meio de pesquisas e análises é muito importante para proporcionar uma experiência que seja única.

4. Marketing de influência

Estamos vivendo a era na chamada economia dos criadores, onde os influenciadores digitais são os grandes responsáveis por uma parcela significativa das vendas. Essa é uma das tendências que atingem especialmente o Brasil, onde a relevância dos influenciadores é maior que a média global.

Mas é importante lembrar que, assim como em outras estratégias de marketing, é preciso estudar o mercado e entender se aquele influenciador segue os mesmos objetivos e atinge o mesmo público-alvo da cooperativa. 

5. Adaptabilidade

Saber se adaptar é fundamental para qualquer negócio, especialmente em um mercado que muda a todo momento. Por isso é necessário adaptar métodos e técnicas de vendas para se ajustar a essas mudanças e não ficar atrás da concorrência.

6- Prioridade na retenção de clientes

Para garantir o sucesso de uma cooperativa, é crucial não apenas conquistar novos clientes, mas também priorizar a fidelização daqueles que já são clientes habituais. No cenário digital, onde há inúmeras opções disponíveis, as cooperativas devem manter a satisfação e a felicidade dos clientes como uma prioridade.

7. Eficiência e foco no crescimento sustentável

Os clientes têm buscado além da eficiência do serviço prestado, e a qualidade dos produtos, empresas que levem em consideração a sustentabilidade. Cooperativas que estejam alinhadas com os princípios da agenda ESG, já estão um passo à frente da concorrência.

8. Live commerce: vendendo ao vivo

O live commerce é uma nova modalidade de vendas impulsionada pela demanda por conteúdo produzido em tempo real em plataformas como Twitch, YouTube e Instagram. Ela funciona como um programa ao vivo com interações e engajamento, visando efetivar vendas.

9. Oportunidades para exportar

O mercado internacional oferece diversas oportunidades de exportação devido à economia globalizada e o rompimento  das fronteiras. Nesse cenário, o cooperativismo desempenha um papel significativo. Para 2023, a previsão é que novas oportunidades surjam no mercado externo e as cooperativas devem ficar de olho no cenário econômico internacional. 

Saiba mais sobre cada uma dessas tendências acessando o conteúdo sobre tendências de vendas para ficar de olho e vender mais em 2023!

Conclusão: desafios e oportunidades para vender no cooperativismo

Diante das constantes transformações no mercado de vendas, as cooperativas precisam se adaptar e ficar atentas às novas tendências.

A jornada para vender no cooperativismo envolve desde a pré-venda até o pós-venda, passando por decisões estratégicas, como a escolha entre vender em marketplaces ou em uma loja própria.

Para se aprofundar nesses temas e impulsionar o sucesso da sua cooperativa, confira o curso “Venda Mais”, disponível no CapacitaCoop! Não perca a chance de se atualizar e conquistar mais clientes. Acompanhe as novas tendências e conheça o passo a passo para utilizar as redes sociais para gerar negócios.

spot_img
spot_img

Relacionados

Como aprender sobre tecnologia e inovação para cooperativas

Aliadas, tecnologia e inovação proporcionam diversos avanços para que...

Inscrições abertas para o Cooptech Crédito 2024

A segunda edição do Cooptech Crédito foi lançada e...

AceleraCoop: programa inédito de aceleração de cooperativas é lançado

O AceleraCoop, um projeto inédito de aceleração de cooperativas,...
Tainah Matos
Tainah Matos
Jornalista e especialista em marketing, com ampla experiência como redatora nos mais diversos assuntos, encontrou seu lugar no marketing digital. Apaixonada por filmes, esportes e pelo Corinthians. Atualmente, escreve para o blog da Coonecta.